Aposentadoria

Todos os olhares para a Reforma da Previdência

Governo federal diz ter 250 dos 308 votos de deputados necessários para a aprovação

06 de Fevereiro de 2018 - 08h00 Corrigir A + A -
Governo quer votar no próximo dia 20 (Foto: Geraldo Magela - Agência Senado)

Governo quer votar no próximo dia 20 (Foto: Geraldo Magela - Agência Senado)

O Congresso Nacional voltou às atividades durante a tarde desta segunda-feira em Brasília. Tanto na Câmara como no Senado, o assunto é um só: a Reforma da Previdência. A matéria irá a votação somente se o governo tiver os votos garantidos para aprová-la.

Inicialmente marcado para sexta-feira, a sessão foi transferida para esta segunda para garantir a presença dos senadores e deputados. A primeira sessão foi conjunta entre os parlamentos. Uma mensagem do Poder Executivo foi transmitida para todos os parlamentares com as prioridades do governo para 2018.

No final de 2017, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM), anunciou que a previsão do governo era deixar a votação para o dia 20 de fevereiro, após o Carnaval. Segundo o jornal Folha de São Paulo, Maia teria se irritado com as recentes declarações do presidente da República, Michel Temer (MDB).

“Eu já fiz minha parte na Previdência”, manifestou Temer recentemente. O governo teria, hoje, cerca de 250 deputados favoráveis. Para aprovar, são necessários 308 votos, em dois turnos.

Ainda segundo o jornal, o Planalto teria gasto todo seu capital político com o engavetamento de duas denúncias contra o presidente Michel Temer (MDB) em 2017.

Maia, que planeja ser candidato a presidente em outubro, entende a reforma como uma medida impopular. Caso, na data, o governo não tenha certeza de ter os 308 votos, a ideia do governo é arquivar a matéria para que o assunto volte só em 2019, passada a eleição.

O relator da proposta, Arthur Maia (PPS-BA) deve apresentar um novo texto sem grandes mudanças quanto a regra do tempo de contribuição no caso das aposentadorias através do Regime Geral da Previdência.

Calculadora
Um aparelho comum entre os governistas é a calculadora. Na tarde da segunda-feira, o ministro da Secretaria de Governo, Carlos Marun, disse que ainda faltam cerca de 40 votos. “No dia 20 teremos os 308 votos necessários para aprovar a reforma da Previdência”, manifestou.

Na estratégia do governo, é fácil obter este número, uma vez que ainda há cerca de 80 indecisos. “Quinze dias, para quarenta votos, em meio a um universo de 80, 100 indecisos, não é uma missão impossível e não é um desafio que nos assuste ou nos faça fugir”, garantiu Marun.

Rodrigo Maia deve se reunir com governadores e prefeitos para que pressionem os deputados de suas regiões. A pressão do governo é de que os projetos envolvendo estas regiões teriam dificuldade na tramitação no Congresso.

Negociações
Durante o final de semana, Temer se reuniu no Palácio do Jaburu com o relator da reforma, deputado Arthur Maia, além dos ministros Moreira Franco, da Secretaria-Geral, e Henrique Meirelles, da Fazenda.

O assunto, segunda a Folha, foram as partes que ainda podem ser negociadas no texto final para seduzir aqueles que ainda não tomaram uma posição.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados