Longe da praia

Natureza como opção de lazer

Empreendimentos da região colonial possibilitam às famílias passar o dia e até mesmo pernoitar no local

20 de Janeiro de 2018 - 06h30 Corrigir A + A -
Água corrente em locais rasos dão tranquilidade às famílias (Foto: Paulo Rossi - DP)

Água corrente em locais rasos dão tranquilidade às famílias (Foto: Paulo Rossi - DP)

Público encontra ainda áreas para fazer churrasco na sombra das árvores (Foto: Paulo Rossi - DP)

Público encontra ainda áreas para fazer churrasco na sombra das árvores (Foto: Paulo Rossi - DP)

Com o período de férias e calor, é frequente a procura da população por locais de lazer para aproveitar os dias longos e quentes. Turistas que visitam a cidade também optam pelo contato com a natureza e vão em busca desses espaços. Embora a praia do Laranjal e os prédios históricos sejam a primeira coisa a vir à mente de quem pensa na cidade do doce, a zona rural também é rica em opções.

E para quem gosta de acampar, os campings são uma boa pedida. A temporada 2017/18 do empreendimento Pelotas Colonial destaca quatro locais para os mais variados gostos, onde o visitante pode ir tanto para passar apenas um dia como para estender sua barraca e ficar pelo período desejado.

Um desses locais é a pousada do Moinho. Propriedade da família de Miguel Timm Amaral há 40 anos, em 2001 o técnico em agropecuária resolveu usar o encantador espaço para atrair turistas. Desde então, a área vem crescendo e já chegou a receber cerca de 500 visitantes em um único final de semana.

Segundo Amaral, a sua clientela costuma ser formada por famílias e casais, a maioria com mais de 25 anos. Além da água do arroio dos Kaster, que cruza a propriedade, campos e árvores proporcionam espaços com muita sombra e destacam-se logo na chegada do visitante. “O pessoal se conscientizou a vir para o campo, ver a natureza, buscar uma educação ambiental”, observa o proprietário.

O local conta com cerca de 30 churrasqueiras com mesas, luz, água, alguns em pontos isolados com ainda mais silêncio. Internet wifi também é um atrativo para a nova temporada. Interessados em acampar, devem preferencialmente fazer um agendamento prévio (veja o box) para ter seu lugar garantido, pois na alta temporada, é concorrida a procura pelo espaço.

O antigo moinho, responsável pelo nome do local, ficava localizado acoplado à lateral da casa e servia para moer grãos com a força da água. Ele, porém, quebrou-se com a força do tempo. Dentre as projeções do futuro para a área, recolocá-lo no lugar é uma das ambições. A melhora no geral é sempre um dos objetivos para tornar o local ainda mais agradável, garante Miguel.

Vindas de Porto Alegre, Ana Maria e Isabel Diere, mãe e filha e ambas funcionárias públicas, visitavam Pelotas pela primeira vez no começo deste mês. Elas conheceram a pousada pela internet e vieram passar nove dias no local. Anteriormente, costumavam veranear no litoral norte, mas nessa temporada, optaram pelo campo. “Troquei a praia pelo campo, um lugar com árvores”, resume a filha. A internet, é segundo Miguel, uma das formas mais utilizadas pelas pessoas para encontrar o local hoje.

Morador de Pelotas, Pablo Ferraz costuma frequentar a pousada. Durante à tarde, assava um churrasco na companhia da esposa e de uma amiga. Embora a correria do dia-a-dia o impeça-o de acampar sempre no local, ele comemora as escapadas para lá. “É bom para recarregar as baterias e sair do clima da cidade”, garante.

A Pousada do Moinho conta também com dez suítes capazes de abrigar até seis pessoas em cada uma delas. O espaço possui frigobar, pacotes com café da manhã e até churrasqueira em alguns dos quartos. Apesar disso, a área de sete hectares destaca-se mesmo é pelo espaço no ar livre. “Aqui é o lugar da natureza”, encerra Amaral.

No meio das árvores, com o canto dos pássaros
Distante apenas sete quilômetros da pousada, a Chácara dos Pinus encanta pela quantidade de árvores nativas e pelo silêncio ao longo de todo o espaço de 3 hectares. O camping conta com internet wifi, um bar e área capaz de acomodar até 40 barracas. Já recebeu até 600 pessoas em um final de semana. Apesar disso, o silêncio prevalece.

Essa é uma das regras colocadas pelo casal de proprietários. Valdomiro e Elinara Neumann eram comerciantes no bairro Fragata. O sonho de trabalhar na área do turismo fez eles venderem tudo e migrarem em 2002 para a propriedade de 17 hectares, cortada pelo leito da antiga estrada de ferro e por um arroio de águas calmas. “A gente veio em busca de sossego”, garante Elinara. Em 2004, o sonho de ter o camping no pátio de casa foi colocado em prática, embora o início tenha sido lento. “A gente recebia no máximo uns 200 por verão”, lembra a proprietária.

Um dos destaques da área é a grande quantidade de espaços para lazer. Além do arroio, há um campo de futebol, uma quadra de vôlei, mesa de sinuca e até um playground para crianças se divertirem. E lá, Luciana Londeiro e sua priminha, Gabriela, de apenas um ano de idade, brincavam. Luciana veio de São Leopoldo visitar Pelotas e encantou-se pela beleza da Zona Rural do município. “É maravilhoso, um paraíso! Muito bom sair daquele calorão e vir pra cá, que está fresquinho”, exclama apontando para a quantidade de sombra da chácara. Um açude de águas cristalinas, com peixes da espécie carpa-capim é outra das atrações.

Nas águas do arroio, o casal Wilson Colvara e Marília Müller também aproveitava a sombra. Com as filhas Érica, de 6 anos, e Sara, de apenas 4, estavam conhecendo o camping. “É muito bom, tranquilo vir para ficar. Tem a opção do mato, da churrasqueira e do arroio”, pondera Marília.

Ao contrário deles, Rogério Gonçalves Plá já conhece muito bem o local. Há mais de uma década, acampa todos os verões lá com a família. “É uma maravilha! O cara é bem acolhido aqui. É tudo de bom”, comenta ressaltando o tamanho do espaço e a paz encontrada por ele ali. Por pelo menos quatro dias, o motorista do Uber pretende usar o espaço para recarregar as energias para 2018.

>>> Confira o link com os mapas!

Outros destinos
O camping Belfiori e a Cachoeira Paraíso são outros dois locais apontados como ideais para acampar nesta época. Proprietário do primeiro, Luis Maurício Camelato aponta a estrutura como o diferencial do camping. Ele possui luz, água, internet wifi e churrasqueiras. Um arroio com cachoeira e degustação de sucos de uva são outra atração, além de um playground e um bar com itens básicos para quem estiver acampando.
Já a Chácara dos Pinus possui trilhas, cachoeiras e ampla área para banho. A proprietária Jaine Grupelli garante haver bastante espaço para acampamento e ampla sombra. Além das churrasqueiras, um bar com lanches e bebidas é opção para os visitantes.

Crescimento do setor
A guia turística Andrea Chies acompanhou a equipe do DP durante as visitas. Segundo ela, o turismo rural vem crescendo nos últimos 14 anos. Desde 2004, ela faz parte do grupo Pelotas Colonial, composto de 16 empreendimentos com as mais variadas opções no campo. “O turismo rural é uma válvula de escape do stress da cidade”, aponta ela.

Andrea crê em um aumento no alcance do turismo rural, em especial a curto prazo. Formada em publicidade, ela abandonou a área para dedicar-se a ser guia e a investir também em seu próprio empreendimento. “Hoje, já são mais de 30 opções. Tem mercado e tem procura”, garante.

A rota de turismo do Pelotas Colonial reúne setores da hospedagem, alimentação, cultura, lazer, arte e educação ambiental. O Sebrae e a prefeitura são também parceiros do grupo.

Jussara Cruz Argoud, gestora de projetos de turismo do Sebrae, também vê a área crescendo em Pelotas. Segundo ela, todos os empreendedores foram capacitados e qualificados para atender o turismo e formatar o produto turístico.

De acordo com os dados do Sebrae, hoje cerca de 80% dos turistas visitando a zona rural de Pelotas são provenientes da região sul, em especial de Rio Grande. “O fluxo vem aumentando bastante. O pelotense está descobrindo os roteiros rurais”, pontua. Segundo Jussara, os baixos custos e as opções para momentos rápidos de lazer tem feito o meio urbano interagir mais com o meio rural, impactando também em vários segmentos da economia.

Conheça os locais

Pousada do Moinho
BR 392 - KM 92
Telefone para contato: 3227-5809 - Miguel Timm Amaral
Valores: Manhã e tarde R$ 10,00 por pessoa
Acampamento: Diárias de R$ 20,00 por pessoa

Chácara dos Pinus
BR 392 - KM 96 (outros 3km de estrada não pavimentada)
Telefone para contato: 98137-4811 - Marcos Rocha
Valores: Pela manhã R$ 8,00 por pessoa - Tarde R$ 5,00
Acampamento: Diárias de R$ 18,00 por pessoa

Sítio Belfiori
BR 392 - KM 102 (outros 4km de estrada não pavimentada)
Telefone para contato: 98103-7709 - Luis Maurício Camelato
Valores: Pela manhã R$ 8,00 por pessoa - Tarde R$ 5,00
Acampamento: Diárias de R$ 16,00 por pessoa

Cachoeira Paraíso
BR 392 - KM 88 (outros 18km de estrada não pavimentada)
Telefone para contato: 98447-8408 - Leci Grupelli
Valores: Pela manhã R$ 10,00 por pessoa - Tarde R$ 7,00
Acampamento: Diárias de R$ 20,00 por pessoa


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados