Pleito

Pelotas entra na disputa pelo Palácio Piratini

Dois pelotenses são pré-candidatos ao governo gaúcho; Eduardo Leite e Mateus Bandeira (foto) devem disputar o cargo com José Ivo Sartori, Miguel Rosseto e Jairo Jorge

02 de Janeiro de 2018 - 07h36 Corrigir A + A -
Mateus Bandeira deve concorrer pelo Novo (Foto: Ivan de Andrade/Infocenter)

Mateus Bandeira deve concorrer pelo Novo (Foto: Ivan de Andrade/Infocenter)

Ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, deverá ser o candidato do PSDB (Foto: Gustavo Mansur/Infocenter)

Ex-prefeito de Pelotas, Eduardo Leite, deverá ser o candidato do PSDB (Foto: Gustavo Mansur/Infocenter)

Nas eleições majoritárias no Estado, Pelotas terá pela primeira vez candidatos a governador: Eduardo Leite (PSDB) e Mateus Bandeira (Novo). Com visões sobre a política e a gestão que se encontram em muitos aspectos, os dois devem ter a concorrência do atual governador, José Ivo Sartori (PMDB), e dos já confirmados Jairo Jorge (PDT) e Miguel Rosseto (PT).

Nos bastidores, José Ivo Sartori (PMDB) é tratado como pré-candidato à reeleição. Com os constantes parcelamentos de salários e os números alarmantes na segurança pública, a popularidade de Sartori é baixa. Imobilizado pela crise e com a divisão da base na Assembleia Legislativa, todos os projetos considerados essenciais para o governo, como a adesão ao Plano de Recuperação Fiscal, não têm mais capacidade de serem aprovados pelos deputados.

“É um enorme desafio, o Rio Grande do Sul tem um problema estrutural, e não conjuntural. É algo que está na estrutura, como o sistema previdenciário, o tamanho do Estado, na dívida a longo prazo - por isso tem que ter clareza que não se resolve em quatro anos, em oito anos ou dez”, indica Eduardo Leite (PSDB). Sobre assumir o governo na atual situação de crise, o tucano acredita que o político não deve escolher momentos para a disputa. A ideia é estabelecer o projeto durante a campanha - diferente de Sartori - e dizer “o que precisa ser feito”, explica. “Até pra validar a agenda que está sendo proposta no processo eleitoral, é importante que a população valide para o governante ter força política junto à Assembleia para fazer”, opina.
A experiência de governar Pelotas também é um alento ao olhar para o Estado. Ele cita o exemplo de Pelotas ser a terceira maior cidade do RS, mas não ser a terceira economia, e sim a nona. O ranking, avalia Eduardo, demonstra as carências históricas da Metade Sul e que seu governo não conseguiu solucionar todos os problemas, mas que apontou uma direção, explica. “O que falta para o Estado é um sentimento de que, por pior que esteja a situação, tem rumo e direção. O governo precisa deixar claro para a população e não temos isso hoje”, opina. O tucano quer aproximar a iniciativa privada do governo, propondo parcerias público-privadas (PPPs) para rodovias, por exemplo, e tentar desburocratizar o sistema de licenciamentos para empresas se instalarem no Estado. “Estradas ruins, licenciamentos demorados e alta carga tributária é a fórmula do fracasso”, explica.

Outro que disputará votos em Pelotas por ser natural da cidade é Mateus Bandeira (Novo). Ex-presidente do Banrisul e secretário estadual durante o governo Yeda, Bandeira era CEO da Falconi até o ano passado. Ele analisa que nos últimos 40 anos ou mais, os governos foram irresponsáveis, permissionários e fizeram uma farra fiscal.

Mateus diz querer atacar privilégios como o auxílio-moradia para o Judiciário e adotar o princípio de administrar com total austeridade. Para a campanha, Bandeira já quer apresentar um plano de privatizações que envolva Banrisul, CRM, Sulgás e CEEE Distribuição, cita. Mateus também fala em desburocratizar e diminuir o tempo para a emissão de licenças para empresas, além de utilizar inovação e tecnologias na gestão. “Temos que simplificar pra quem quer empreender e investir, ter uma agenda criativa e um ambiente receptivo a negócios”, projeta.

Até o final de dezembro, Jairo Jorge (PDT), ex-prefeito de Canoas, havia visitado mais de 300 municípios e pretende estar, até a eleição, em todas as 497 cidades do Rio Grande do Sul. O pedetista trabalha na ideia de ativar os 28 Conselhos Regionais de Desenvolvimento (Coredes) como um conselho político para planejar ações em todo o Estado e estar em cada região no mínimo duas vezes por ano. Jairo também fala em ter uma máquina pública que funcione, com educação, segurança e saúde, por exemplo, e que incentive o desenvolvimento, não atrapalhando o setor privado.

Para o ICMS, Jairo Jorge quer instituir um programa colocado em prática em Canoas, que é a “lei do gatilho”. Conforme aumenta a arrecadação, diminui a alíquota, explica. Em dados, cita que enquanto prefeito foram abertas 19,8 mil empresas médias e pequenas no município, o que alavancou os cofres da cidade. “Temos que sair de um círculo vicioso para entrar em um círculo virtuoso”, fala com efeito.
Na oposição ao atual governo, o Partido dos Trabalhadores (PT) lançou o nome de Miguel Rosseto (PT) ao Piratini. Ex-ministro dos governos Lula e Dilma e vice-governador de Olívio Dutra, ele avalia que Sartori trabalha mal e pouco, além de fazer escolhas erradas. Sobre os parcelamentos, considera incompetência e falta de compromisso para resolver o problema. “Um governo sem credibilidade perde liderança para propor”, critica. Outro ponto negativo tratado pelo petista é sobre aderir ao Plano de Recuperação Fiscal e cita a Lei Kandir. “O Rio Grande do Sul é credor, nós precisamos sair desta agenda perdedora e submissa. A conduta omissa e um silêncio irresponsável do governo sobre o Polo Naval que está sendo esvaziado”, exemplifica.

Rosseto quer adotar tecnologias de avaliação permanente da gestão, afirmando que o governante que escuta a população erra menos. Outra crítica é em relação a posturas do governo diante de dificuldades de agricultores com a questão do leite e à duplicação de rodovias como as BRs 116 e 290. Sobre assumir o Estado em crise, Rosseto diz encarar com confiança. “Acredito na capacidade da indústria, da produção, do setor agrícola, de serviços. Tenho o compromisso de diminuir a desigualdade”, planeja.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados