Crime em família

Quadrilha formada por primos é presa após colidir veículo roubado em árvore no Areal

O dono do carro, mantido como refém durante a fuga, precisou ser encaminhado ao Pronto-Socorro em função do acidente

31 de Dezembro de 2017 - 10h37 Corrigir A + A -

Por: Redação
web@diariopopular.com.br

Caso foi registrado na Defrec; homens foram levados ao Presídio Regional de Pelotas, mas adolescentes continuaram na delegacia até o fim da manhã (Foto: Reprodução)

Caso foi registrado na Defrec; homens foram levados ao Presídio Regional de Pelotas, mas adolescentes continuaram na delegacia até o fim da manhã (Foto: Reprodução)

A madrugada deste domingo (31) foi de violência, alta velocidade, imprudência e prisões em Pelotas após um crime realizado em família. Por volta das 2h, quatro bandidos - todos parentes - renderam um homem de 34 anos na rua Barão de Santa Tecla, em frente ao Pronto-Socorro de Pelotas (PSP). A vítima foi forçada a entrar no carro, um Gol, com a quadrilha.

Policiais que estavam no PSP perceberam a movimentação. Quando os criminosos viram a viatura, tentaram fugir levando o dono do automóvel como refém entre dois adolescentes no banco de trás. Eles andaram em alta velocidade pelas ruas Marechal Deodoro, Doutor Amarante e avenida Domingos de Almeida, perseguidos pela Brigada Militar (BM). No início do Areal acabaram colidindo em uma árvore.

Os PMs abordaram os ocupantes do Gol e o dono do carro se identificou como refém. Os outros quatro receberam voz de prisão, sendo os dois menores apreendidos. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência compareceu ao local para socorrer pelo menos duas pessoas. Um dos bandidos e a vítima, que mora no Capão do Leão, ficaram gravemente feridos em função do acidente e precisaram ser hospitalizados.

Já durante a manhã, os quatro detidos - todos primos - estavam na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA). A.N.X., de 30 anos, e B.G.N., de 18, foram encaminhados ao Presídio Regional de Pelotas (PRP). S.S.N. e R.G.N., ambos de 15 anos, permanecem na DPPA para os devidos registros.

O caso foi registrado na Delegacia Especializada em Furtos, Roubos, Entorpecentes e Capturas (Defrec).


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados