Lançamento

Leitura para inspirar a arte do fazer à mão

Relicário de Afetos, livro de Lu Gastal, busca incentivar a simplicidade a partir do "faça você mesmo"

18 de Dezembro de 2017 - 12h00 Corrigir A + A -

Por: Ana Cláudia Dias
anacl@diariopopular.com.br 

Lançamento do livro será nesta segunda, às 19h, no pátio interno do Mercado Público de Pelotas

Lançamento do livro será nesta segunda, às 19h, no pátio interno do Mercado Público de Pelotas

Artesã convida os leitores relembrar as próprias vivências (Foto: Dani Bat)

Artesã convida os leitores relembrar as próprias vivências (Foto: Dani Bat)

Um convite a relembrar experiências e a se confortar com simplicidade. Esta é a proposta da artesã Lu Gastal no livro Relicário de afetos. A obra em tom de autobiografia recheada por delicadezas inspiradoras será lançada nesta segunda-feira (18) em Pelotas, com sessão de autógrafos às 18h, no pátio interno do Mercado Central. A venda será feita no local.

Com 150 páginas, Relicário de afetos traz lembranças da autora em forma de textos que sugerem receitas, que vão da decoração à culinária. Em entrevista por telefone, Lu, que mora em Porto Alegre, contou que a publicação não é um livro de costura, bordado ou gastronomia, é uma obra de amor, de memórias que desejam motivar os leitores a buscarem mais momentos de carinho e afetuosidade. “Queria fazer um livro sobre o fazer à mão”, diz.

Traduzir a trajetória em um livro era um sonho acalentado há algum tempo. Para concretizá-lo, a autora convocou o público a participar de um financiamento coletivo. A captação não foi completa, mas, segundo a autora, foi fundamental para dar o início ao projeto de publicação. Os nomes dos parceiros estão nas páginas do seu Relicário de afetos, assim como as empresas que apoiaram esta verdadeira construção coletiva.

Partilhar conhecimentos
Por meio de suas vivências, a autora compartilha histórias e conhecimentos sobre o fazer artesanal, uma especialidade dela, que há oito anos se dedica exclusivamente para esta atividade. Lu relembra os aniversários feitos pela mãe dela na garagem da casa. A partir destas histórias ela demonstra que é possível trazer hábitos da infância para o mundo atual. “É um convite para parar e pensar que em tempos modernos o fazer à mão preenche lacunas do mundo digital”, comenta.

Instintivamente, Lu se engajou em um movimento recente que clama por uma vida mais “faça você mesmo”. São pessoas que procuram a desaceleração do cotidiano, um ritmo onde a instantaneidade é deixada um pouco de lado.

Natural de Cachoeira do Sul, a artesã se mudou aos 17 anos para Pelotas para estudar. No município se formou em Direito, profissão em que atuou até 2010, quando definitivamente se reinventou.

Lu lembra que quando atuava como advogada o bordado em ponto de cruz era a atividade que usava para relaxar e se reconectar consigo mesma. No Direito não se sentia completa.

Aos poucos foi se aprofundando no fazer artesanal e quando percebeu não dava mais para se dividir, tinha de optar. “Mas tudo se paga um preço”, fala ao lembrar que sofreu preconceito sim, mas também conseguiu atrair admiradores que davam força para que continuasse.

Nas redes sociais, por meio do blog lugastal, começou a dividir experiências e foi criando uma rede de contatos. “Comecei a escrever sobre isso e as pessoas foram se identificando, me qualifiquei fazendo cursos até de empreendedorismo.”

Na época das avós
Inicialmente conhecida pelos trabalhos em tecido e pela delicada e colorida loja que montou em Porto Alegre, Lu conta que hoje todas as técnicas a interessam. “Gosto de misturar as técnicas, justamente para aproveitar tudo o que se tem em casa. Com criatividade dá para fazer um trabalho bem bacana.”

A afinidade com linhas e agulhas ela atribui aos avós. Tinha um avô que era alfaiate e as avós eram mulheres prendadas, como se dizia há algum tempo. “Na época das avós não existiam alternativas. Faziam biscoitos, bolos, a decoração da árvore de Natal”, recorda-se.

Com uma proposta de valorizar o feito à mão, Lu Gastal procurou a amiga Daniela Battastini, fotógrafa e ex-cliente, para produzir as imagens de todos as peças artesanais sugeridas pela autora aos leitores. “Foi tudo feito especialmente para o livro.”

A obra tem ainda aquarelas feitas por artista Ana Carolina de Paula e até moldes. Mas não tem receitas passo a passo, é um livro de inspiração, para fazer o leitor pensar nas suas possibilidades e motivá-lo a fazer um trabalho com as suas características. “É um livro muito visual e é também um convite a olhar para si”, diz.

Relicário de afetos foi editado pela Satolep Press, com projeto gráfico da Nativu Design, empresas de Pelotas que, segundo Lu, também compartilham com a ideia da criatividade e da artesanalidade no fazer. “Foi bem especial trabalhar com eles. Relicário é um livro feito a várias mãos.”

A publicação estará à venda pelo preço de R$ 90,00 nas sessões de autógrafos e posteriormente será distribuído às livrarias. Para 2018 estão previstos lançamentos no Rio de Janeiro, São Paulo, Brasília e Belo Horizonte.

O quê: sessão de autógrafos de Relicário de afetos, de Lu Gastal
Quando:  nesta segunda, às 18h
Onde: pátio interno do Mercado Central


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados