Sem aulas

Greve completa três meses e esvazia salas de aula

Apenas cinco escolas estaduais da Zona Sul permanecem 100% paralisadas

05 de Dezembro de 2017 - 09h30 Corrigir A + A -

Por: Michele Ferreira
michele@diariopopular.com.br 

Instituto Assis Brasil retomou as atividades ontem (Foto: Gabriel Huth - DP)

Instituto Assis Brasil retomou as atividades ontem (Foto: Gabriel Huth - DP)

Pedro Osório é uma das poucas instituições com 100% de paralisação (Foto: Gabriel Huth - DP)

Pedro Osório é uma das poucas instituições com 100% de paralisação (Foto: Gabriel Huth - DP)

A greve dos professores da rede estadual chega aos três meses nesta terça-feira (5), com baixa adesão na Zona Sul. Dados da 5ª Coordenadoria Regional de Educação (CRE) indicam que apenas cinco de um total de 127 instituições permanecem 100% paralisadas; quatro em Pelotas e uma em Turuçu. O Instituto de Educação Assis Brasil (IEAB) - a maior escola estadual da região - busca normalizar as atividades desde ontem, segunda, mesmo com cerca de 10% dos profissionais de braços cruzados. 

Duas assembleias nesta semana devem definir os rumos do movimento. O encontro do 24º Núcleo do Cpers-Sindicato está agendado para a tarde de quarta-feira. A tendência é de que a categoria mantenha a posição retirada na última assembleia - em 22 de novembro -, que já defendia o fim da greve. Ainda assim, o diretor do 24º Núcleo, Mauro Amaral, sustenta: “É uma greve de resistência, histórica e importante contra um Estado que quer implementar um projeto político neoliberal”.

E para dar peso à afirmação, lembra de um dos pontos centrais ao descontentamento: mesmo com a definição de faixas para o pagamento integral dos salários, o governo do Estado ainda descumpre o artigo 35 da Constituição Estadual. O pagamento da remuneração mensal dos servidores públicos do Estado e das autarquias será realizado até o último dia útil do mês do trabalho prestado. É o que estabelece a legislação. Na prática, há 24 meses não é o que ocorre ao funcionalismo gaúcho.

Retorno e reorganização no IEAB
Salas e corredores voltaram a ganhar maior movimentação na segunda-feira, com o retorno de aproximadamente 90% dos 142 professores e funcionários do Assis Brasil. A direção realiza levantamento da equipe, que ao longo da greve teve pelo menos duas baixas em função de aposentadorias. Setores como Supervisão e Orientação Pedagógica também estão descobertos, já que os profissionais voltaram à sala de aula - explica a diretora Magna Lameiro.

A definição do novo calendário também é um dos pontos centrais da pauta. “Acho que a gente vai ter que ter aula até fevereiro, mas é melhor do que perder o ano”, afirma a estudante do 1º ano do Ensino Médio, Juliane Ribeiro Machado, 16. Um retorno encoberto por dúvidas, já que algumas disciplinas seguirão sem ser ministradas. Foi o que ocorreu nesta segunda, por exemplo, quando a turma da adolescente Juliane não teve aula de Educação Física.

Saiba mais
A posição do governo - O titular da 5ª CRE, Carlos Humberto Vieira, destaca o processo de organização para recuperação dos dias parados e admite: em algumas instituições da Zona Sul, o ano letivo de 2018 só deve começar quase no final do primeiro semestre. Afinal, não bastará recuperar a greve. Ainda será preciso contabilizar o atraso para o início das atividades de 2017 - em função de problemas no transporte escolar - e um período de férias para marcar o intervalo entre os dois anos.

Ao se pronunciar sobre a mobilização da categoria, Vieira defendeu: “Hoje, esta é uma greve em que a disputa é do Sindicato contra ele mesmo. É um processo político”.

O cenário das escolas na região - O último levantamento da 5ª Coordenadoria indica: cinco instituições permanecem 100% paralisadas na região: Monsenhor Queiroz, Nossa Senhora de Lourdes, Pedro Osório e Visconde de Souza Soares, em Pelotas; e a Escola Estadual de Ensino Médio João Simões Lopes Neto, em Turuçu.

Outras 24 instituições estão com atividades parciais e 98 são consideradas normais, ainda que um ou dois profissionais permaneçam em greve - assume Carlos Vieira.

Acompanhe as assembleias - Dois encontros devem ocorrer nos próximos dias. A assembleia do 24º Núcleo do Cpers está agendada para quarta-feira, a partir das 15h30min, no auditório da Escola Técnica João XXIII, no antigo Foro, em Pelotas. A assembleia geral, em Porto Alegre, deve ocorrer nesta sexta-feira.

 


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados