Suplicy apoiava famílias que se manifestam contra ordem de despejo na ocupação Terra Pelada, no Jardim Raposo Tavares (Foto: Fotos Públicas)

Suplicy apoiava famílias que se manifestam contra ordem de despejo na ocupação Terra Pelada, no Jardim Raposo Tavares (Foto: Fotos Públicas)

Protesto

Eduardo Suplicy participa de manifestação e é preso em São Paulo

Ex-senador foi levado para o 75º Distrito Policial; manifestantes soltaram rojões e jogaram pedras contra tropa de choque da polícia

30 de Novembro de -0001 - 00h00 Corrigir A + A -

Agência Brasil

Suplicy apoiava famílias que se manifestam contra ordem de despejo na ocupação Terra Pelada, no Jardim Raposo Tavares (Foto: Fotos Públicas)

Suplicy apoiava famílias que se manifestam contra ordem de despejo na ocupação Terra Pelada, no Jardim Raposo Tavares (Foto: Fotos Públicas)

O ex-senador Eduardo Suplicy foi conduzido pela Polícia Militar durante protesto contra a reintegração de posse de uma área na zona oeste da cidade de São Paulo nesta segunda-feira (25), informou a assessoria de imprensa do político. Suplicy apoiava as famílias que se manifestam contra a ordem de despejo na ocupação Terra Pelada, no Jardim Raposo Tavares. Vídeos publicados em redes sociais mostram o ex-senador deitado no chão e sendo levado pela polícia.

Suplicy foi levado para o 75º Distrito Policial, no Jardim Arpoador. Mais cedo, houve confronto com os manifestantes, que soltaram rojões e jogaram pedras contra a tropa de choque da polícia, que revidou com bombas de efeito moral.

De acordo com a PM, por volta das 9h, houve também troca de tiros e um policial foi atingido no colete de proteção, sem sofrer ferimentos. Os moradores protestam desde o início da madrugada. Eles tentaram queimar um ônibus, fizeram barricadas e atearam fogo em pneus.

A área, na rua José Porfírio de Souza, 892, no Jardim Raposo Tavares, pertence à prefeitura de São Paulo. Segundo decisão da Justiça, emitida pela 9ª Câmara de Direito Público, o local apresenta alto risco de deslizamento, por ser região de encostas.

Parecer da Defesa Civil avaliou que as construções precárias na área aumentam os riscos de desabamentos e até mesmo de incêndio. “Há ainda muito lixo e entulho no local, bem como árvores queimadas e visível dano ambiental”, diz o documento.

Após detenção, reintegração de posse é cumprida em São Paulo
Depois de protestos, confrontos e prisões contra uma ordem de reintegração de posse, a situação na ocupação Terra Pelada, zona oeste da cidade de São Paulo, ficou mais tranquila durante a tarde. A ordem jucidial começou a ser cumprida, de acordo com informações da Polícia Militar.

A prefeitura confirmou que a área ocupada é municipal e apresenta elevado risco elevado de desabamento, “o que inviabiliza construção de moradia popular”, diz a nota. “A Defesa Civil do município estudou a possibilidade de retirar apenas parte dos barracos, mas concluiu que isso colocaria os demais barracos em risco, por causa da fragilidade estrutural do conjunto. A reintegração de posse é uma determinação judicial e os moradores foram avisados previamente sobre a desocupação”.

Segundo a prefeitura, 211 famílias residem no local e estão cadastradas no programa habitacional do município. A prefeitura informou ainda que uma equipe do Serviço Especializado de Abordagem Social foi ao local da reintegração para encaminhar as pessoas que tenham interesse à rede socioassistencial do município. "As famílias interessadas nos serviços, como a inclusão no Cadastro Único para programas sociais do Governo Federal e encaminhamentos para Centros de Acolhida, também podem procurar espontaneamente o Centro de Referência de Assistência Social (Cras) Butantã na Avenida Junta Mizumoto, 591”, diz nota da prefeitura.

De acordo com a polícia, outras duas pessoas que participavam da manifestação também foram detidas.


Comentários


Diário Popular - Todos os direitos reservados